Diocese de Votuporanga


Paróquia Nossa Senhora Aparecida
Fundada em: 10/12/2014

Rua Mato Grosso, nº 455
Centro
15275-000
Monções

17-99632-7050
paroquianossasenhoraaparecidamoncoes@outlook.com
->Facebook link


Pároco:
Francisco do Bonfim Almeida de Sousa

Missas

Terça-feira, quarta-feira e sábado: Santa Missa às 19h.

Primeira sexta-feira do mês: Adoração ao Santíssimo Sacramento com o Apostolado da Oração às 18h e Santa Missa às 19h.

Domingo: Santa Missa às 8h.

Atendimento

Secretaria:
Segunda-feira a sexta-feira: das 13h às 17h.
Sábado: das 8h às 12h.

Atendimento do Pe. Edivaldo:
Terça-feira e quarta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h.
Sábado: Precisa ligar na paróquia para agendar.

História da Paróquia Nossa Senhora Aparecida:

A Capela Nossa Senhora da Conceição Aparecida de Monções pertenceu à Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida de Macaubal, teve vários Padres ao longo de sua caminhada, dentre eles Pe. Ladislau Obora, Pe. Tadeu Szerszen e o último da então Capela, Pe. Marcio Roberto Martins dos Santos.
Em 10 de dezembro de 2014, atendendo ao bem espiritual dos fiéis, Dom Tomé Ferreira da Silva, Bispo de São José do Rio Preto, elevou a capela a Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida na cidade de Monções, desmembrando-se da Paróquia de Macaubal, nomeando como primeiro pároco o Pe. Carlos Henrique Carneiro. E no dia 28 de dezembro de 2014 foi realizada a celebração de ereção da nova Paróquia e posse do seu primeiro pároco.
Esta celebração foi presidida por V. Exma. Revma. Dom Tomé Ferreira da Silva e concelebrada com os Padres Carlos Henrique Carneiro, Marcio Roberto Martins dos Santos, Irineu Vendrame, dentre outros, além de um grande número de fiéis e autoridades municipais.
No dia 24 de novembro 2016, estiveram na casa paroquial da cidade de Turiuba-SP, em visita ao Padre Edivaldo Medeiros, então administrador paroquial da Paróquia São Vicente de Paulo de Turiuba e Vigário Auxiliar da Paróquia de Nossa Senhora do Divino Livramento de Buritama, V. Exma. Revma. Dom Moacir Aparecido de Freitas juntamente com os Padres Geomar Alves dos Santos, coordenador diocesano de pastoral, e Carlos Henrique Carneiro, administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Monções, para apresentar algumas problemáticas pastorais da Diocese, sendo uma delas a respeito da Paróquia de São Sebastião de Sebastianópolis do Sul que ainda estava sendo administrado pelo Padre JoséIrineu Vendrame, vigário geral da Diocese de São José do Rio Preto. Depois de ter relatado as dificuldades, o Pe. Edivaldo Medeiros aceitou o convite para ser administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Monções, deixando de ser Vigário Auxiliar da Paróquia de Nossa Senhora do Divino Livramento de Buritama.
No dia 04 de janeiro de 2017, às 19h30m durante a Celebração Eucarística presidida por Dom Moacir Aparecido de Freitas e contando com a presença dos Padres Denival Marques de Andrade, ÉzioDatres, Carlos Henrique Carneiro, dentre outros, e também a presença de fiéis da Paróquia de São Vicente de Paulo de Turiuba, de autoridades das cidades de Turiuba e Monções, de amigos da cidade de Buritama, de vários fiéis da cidade de Monções e de seus familiares, Padre Edivaldo Medeiros tomou posse na Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Monções.

DO EDIFÍCIO-IGREJA
A história da atual Igreja de Monções remonta a história do município. O engenheiro agrônomo Clovis Machado de Oliveira, que trabalhava com seu irmão Antenor em demarcação de terras na fazenda Ribeirão Mato Grosso, foi quem mandou levantar um primeiro CRUZEIRO (ao lado do prédio da Escola de Monções), com a ideia de erguer um povoado que ele batizou de PARAÚNA (água preta). Mas o plano só foi concretizado depois da crise econômica de 1929, quando os proprietários de terras José Machado, os irmãos Henrique, Manoelito Fernandes, Serafim Corso, André Garcia, Noé Toneto, Caetano Passarini, Dr. Lino Braile, irmanados com os divisantes da Fazenda Ribeirão Mato Grosso, entre os quais, Jerônimo Pinto, José Barbosa, João Ramos, José Buratti e José Campelo (Bepi), ergueram o 1o Cruzeiro no local antes indicado, hoje Escola Estadual José Florêncio do Amaral. No dia 10 de agosto de 1935, arrancaram o primeiro Cruzeiro e, com grande festa, o levantaram na frente da primeira CAPELINHA de Monções. Motivou a translação do Cruzeiro, o fato do primeiro ficar na baixada, enquanto o atual surge no alto de um outeiro, de onde se descortina-se vasto panorama e oferece melhor escoamento de águas.
A primeira Capelinha deu lugar a uma segunda Capela, um pouco maior, porém não há registro das datas de suas demolição e construção. Em virtude do pequeno crescimento que a cidade envolvia junto ao grande número de fiéis, os membros da Igreja mais o Padre Tadeu Szerszen decidiram por bem realizar uma reunião para assim, discutir o futuro que já batia a porta. Tem-se então:

Ata Extraordinária da Assembleia Geral da Igreja Matriz da cidade de Monções Aos vinte e cinco (25) dias do mês de abril de 1992, às 08 horas na Igreja Matriz de Monções estado de São Paulo reuniram-se os membros que formaram a diretoria. Onde foram discutidos os assuntos para reforma ou construção de uma nova Igreja. E que no final desta reunião, Padre Tadeusz e mais os membros da Igreja decidiram pela construção de uma nova igreja.
Ficando assim a formação da diretoria: Pe. Tadeu Szerszen, Ademar Passarini, Luiz Genaro, José de Oliveira, Ângelo Blanco Junior e Oliveira Dordan (Bera). Nada mais a ser tratado foi encerrada a reunião, para constar foi lavrada a presente ata que depois de lida e achada conforme será assinada por mim secretário e pelo presidente e demais membros.
Monções, 25 de abril de 1992.
E assim, deu-se início a construção da terceira, e atual, Capela para a comunidade Nossa Senhora da Conceição Aparecida de Monções.
Por meio de doações, quermessese o próprio serviço de muitas pessoas e fiéis, foi-se concretizando o novo sonho da comunidade. Com o tempo, a nova edificação foi tomando forma e envolvendo a antiga Capela, que já precisava ser demolida para a conclusão do projeto. No dia 07 de novembro de 1992 foi celebrada a última missa na velha Capela, pelo Pe. Tadeu Szerszen, conscientizando sobre o apoio e ajuda de toda comunidade. E logo após, deu-se início a demolição da mesma. Em 29 de novembro de 1996 termina a construção da nova Capela. E em 15 de dezembro do mesmo ano, com grande festa, Pe. Marcio Roberto Martins dos Santos, sucedendo Pe. Tadeu Szerszen, juntamente com o Exmo. Revmo. Sr. Dom José de Aquino Pereira, então Bispo de São José do Rio Preto, celebraram a primeira missa na nova Capela com benção e inauguração.

INVENTÁRIO E ENTORNO
Hoje, o edifício-igreja é composto pelos ambientes: Naves, Presbitério, uma pequena Capela do Santíssimo, Sacristia com Banheiro, Secretaria, Capela dos Santos, Varanda Frontal e Torre. Possui uma área total construída de 666,21m2, sendo dividida pelo “Corpo” medindo 30,96m de comprimento por 20,10m de largura frontal e 25,10m de largura nos fundos, totalizando 659,17m2 e “pé-direito” máximo de 11,10m, e pela Torre medindo 2,67m de comprimento por 2,64m de largura, totalizando 7,04m2 e “pé-direito” máximo de 13,00m.
É edificada com fundação profunda, elevações em tijolos “pó de mico”, piso em granito (não original), laje pré-moldada e recoberta com telhas cerâmicas (modelo não original).
Internamente é pintada na cor branca com destaques nas colunas, vigas e paredes do Presbitério na cor amarela e externamente na cor creme. Destaca-se também, a moldura das esquadrias e do barrado externo com tijolos e lajotas cerâmicas na cor vermelha.
Suas esquadrias são compostas por 01 porta frontal de 03 folhas; 04 portas laterais de 02 folhas, sendo duas em cada fachada lateral; 01 porta de acesso à Secretaria e 01 porta de acesso à Torre, todas em ferro na cor marrom com vidros texturizados ártico na cor amarela e azul. Possui também 02 portas de madeira na cor marrom que dão acesso internamente a Secretaria e a Sacristia, além de 01 porta de ferro de 02 folhas e sem vidros, também na cormarrom, que dá acesso a Capela do Santíssimo.
As peças litúrgicas: Altar, Ambão, Credência, Pedestal do Sacrário e Pedestais das imagens, são em granito branco itaúnas. Também compõe seu interior 01 Sedia de madeira; 08 cadeiras auxiliares de madeira; 30 bancos de madeira de 03m e 26 de 02m; 14 quadros entalhados em madeira com cruzes descrevendo a Via Sacra; 03 apoios de folhetos de madeira; instrumentos musicais; várias imagens devocionais; vasos, alfaias, paramentos, livros e vários outros objetos sagrados que auxiliam nas celebrações.
Por fim, tem em seu entorno à praça matriz, constando com o Cruzeiro, coreto/banheiros, ponto de ônibus/centro de monitoramento/telefone público, cartório de registro civil, lojas, residências, centro comunitário, salão paroquial, lanchonetes, palco e vias de trânsito em sentido duplo.

REFORMAS DO ESPAÇO
Em meados de 2007, o Cruzeiro, Cruz de Cristo, símbolo da fé cristã e também marco inicial do município de Monções foi o primeiro a ser restaurado, devido a sua deterioração por exposição às intempéries ao longo de mais de sete décadas. Este foi relocado para o lado esquerdo frontal da Capela Nossa Senhora da Conceição Aparecida.
A Capela então passou por sua primeira reforma em meados de 2010, ganhando nova pintura interna e externa, novo piso em granito e uma reestruturação do Presbitério, Sacristia e acessos, além da construção de uma pequena Capela do Santíssimo Sacramento.
Em setembro de 2015, vendo as necessidades espaciais, funcionais e pastorais da recém-criada Paróquia, o agora administrador paroquial Pe. Carlos Henrique Carneiro contatou o Arquiteto e Urbanista Robson Gabriel Guizelini para iniciar um Projeto Arquitetônico de reforma e adequação do espaço. O projeto veio a ser finalizado sobre a administração do Pe. Edivaldo Medeiros, sucessor do Pe. Carlos, que havia sido transferido para a Paróquia São Sebastião de Sebastianópolis do Sul-SP, pelo Exmo. Revmo. Sr. Dom Moacir Aparecido de Freitas, Bispo da também recém-criada Diocese de Votuporanga.
No dia 06 de setembro de 2017, após a Santa Missa, houve uma reunião com o Arquiteto e Urbanista Robson Gabriel Guizelini, o Engenheiro Civil Alex Pantaleão Pires e os paroquianos Danilo Cardoso e Ângelo Junior Blanco, para dar início às melhorias da igreja.
A primeira etapa da segunda reforma iniciou-se no dia 01 de maio de 2018 com a cobertura, sendo feito um reforço na estrutura de madeira que havia cedido com o tempo; instalação de manta térmica almejando o conforto térmico do espaço; troca de todas as telhas, calhas e rufos devido à variedade de modelos acumulados com as reposições; troca de toda parte elétrica e instalação de nova iluminação de LED, visando a segurança e economia enérgica.
A segunda etapa iniciou-se no dia 05 de maio de 2019 onde o sr. Octaviano Soares de Carvalho, paroquiano de Turiuba, juntamente com o Danilo Cardoso iniciou a verificação do estado do relógio da igreja, que não funcionava há aproximadamente dez anos. No dia 19 de maio de 2019, também com a presença do sr. Octaviano Soares de Carvalho e do Danilo Cardoso, juntamente com Domingues Cardoso, pai do Danilo, Edilson Perpétuo Donizeti Amaral, Ângelo Blanco Junior e Robson Gabriel Guizelini, restauraram o maquinário e trocaram os mostradores de acrílico do relógio e exatamente as 18h00m “Regina Coeli” ele começou a funcionar. No dia 27 de maio de 2019, continuando a segunda etapa do projeto de melhoria do espaço, iniciou-se a demolição da Capela dos Santos que dará lugar a nova Secretaria. Ela será menor, porém mais organizada, equipada e funcional, e com acesso direto pela frente da igreja. As imagens devocionais que antes ficavam aglomeradas na Capela dos Santos, serão distribuídas harmonicamente no “corpo” da igreja, propiciando assim um melhor contato devocional dos fiéis. Está planejado ainda: ampliação de 11,62m2 do espaço do Ministério de Música, organizando-o e possibilitando a criação de um novo nicho para a imagem de Nossa Senhora Aparecida, trazendo-a para mais perto dos fiéis; nova Sacristia, mais ampla e com banheiro acessível no lugar da antiga Secretaria; nova e maior Capela do Santíssimo onde era a antiga Sacristia, permitindo que a comunidade adentre o espaço para adorações e pequenas celebrações; Depósito e arquivo na parte remanescente da antiga Sacristia; Capela da Reconciliação no lugar da antiga Capela do Santíssimo; Confecção de Peças Litúrgicas faltantes no mesmo material e estilo das demais (conforme as normas litúrgicas vigentes): Sedia, Bancos auxiliares, Credência mais ampla, Fonte Batismal e Cruzes de consagração; Instalação de rampa, corrimão e guarda-corpo para atender as normas de acessibilidade; Instalação de brises nas janelas do Presbitério para bloquear a intensa luminosidade vespertina; Instalação de sistema de proteção contra descarga atmosféricas; Troca da instalação elétrica, som e cruz da Torre; Pintura interna, externa e das esquadrias da igreja; dentre outras pequenas melhorias.
Tudo isso sem interferir, alterar ou descaracterizar o estilo arquitetônico modernista do edifício-igreja, nem sua memória coletiva, identidade cultural e valor histórico, mas sim, preservando-o, tornando-o mais funcional, organizado, harmônico, acolhedor, seguro e se é que é possível, mais belo.